Linear, Adaptativo ou Interpretativo? Compreendendo a Dinâmica da Formação de Estratégias em Pequenas Empresas

Lucilaine Pascuci, Claudinei Alves

Resumo


Este estudo examina como ocorre o processo de formação de estratégias em pequenas empresas, tendo como base a existência de elementos de natureza racional, interpretativa e adaptativa que influenciam este processo. Para tanto, explora-se como tais elementos se intercalam e se complementam caracterizando a formação de estratégias, em um processo dinâmico que influencia como as estratégias surgem e são desenvolvidas em pequenas empresas. Trata-se de um estudo comparativo de natureza qualitativa com abordagem multimétodos. Os dados foram coletados por meio de observação não participante, documentos e entrevistas. Os dados foram analisados por meio da técnica de análise de narrativas. Os principais resultados demonstraram que a formação de estratégias na pequena empresa é caracterizada, predominantemente, por elementos de natureza adaptativa e interpretativa. Quando existentes, elementos de natureza racional estão relacionados a métodos de controle e de apuração de resultados. O processo de formação de estratégias apresentou uma característica cíclica, sendo retroalimentado pelo processo de aprendizagem do pequeno empresário, construído a partir das experiências vivenciadas. Por fim, a dinâmica de elementos de natureza racional, interpretativa e adaptativa permitiu a identificação de um comportamento padrão destes elementos no processo de formação de estratégias em pequenas empresas.


Palavras-chave


Pequena Empresa; Formação de Estratégia; Racionalidade; Interpretação; Aprendizagem

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, C. (2013). Formação de estratégias em pequenas empresas: um estudo comparativo. 101 f. Dissertação (Mestrado em Administração), Programa de mestrado e Doutorado em Administração, Universidade Positivo. Curitiba.

Barnes, D. (2002). The complexities of the manufacturing strategy formation process in practice. International Journal of Operations & Production Management, 22 (10), 1090-1111.

Bigaton, A. L. W., & Escrivão Filho, E. (2006). Especificidades organizacionais da pequena empresa: um estudo no setor industrial metalomecânico de São José do Rio Preto. In: Anais, XIII SIMPEP.

Campos, T. M., & Lima, E. (2011). Aprendizagem e adequação das operações para realizar estratégias de exportação em micro e pequenas empresas. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 10(2), 159-180.

Cera, K., & Escrivão Filho, E. (2003). Particularidades de gestão da pequena empresa: condicionantes ambientais, organizacionais e comportamentais do dirigente. In: EGEPE – Encontro de Estudos sobre Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas. 3., Brasilia. Anais... Brasília: UEM/UEL/UnB, p. 796-812.

Chaffee, E. (1985). Three models of strategy. Academy of Management Review, 10(1), 89-98.

Chakravarthy, B. S. (1982). Adaptation: a promising metaphor for strategic planning. Academy of Management Review, 7(1), 35-44.

Chandler, A. (1962). Strategy and structure. Cambridge: MIT Press.

Clegg, S., Carter, C., Kornberger, M., & Schweitzer, J. (2011). Strategy: theory & practice. London: Sage.

Cochia, C. B. R., & Machado-da-Silva, C. L. (2004). Ambiente, interpretação e estratégia em organizações paranaenses dos setores de vestuário e alimentos. Revista de Administração Contemporânea, 8, 11-35.

Coelho, J. M., & Souza, M. C. A. F. (1999). A importância do planejamento estratégico para as empresas de pequeno porte. In: Anais. IV Congresso Brasileiro de gestão estratégica de custos. São Paulo/SP.

Corrêa, C. A., & Corrêa, H. L. (2011). O processo de formação de estratégias de manufatura em empresas brasileiras de médio e pequeno porte. Revista de Administração Contemporânea. Curitiba, 15(3), 454-475.

Creswell, J. H. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3. ed. Porto Alegre: Artmed.

Crossan, M. M., & Berdrow, I. (2003). Organizational learning and strategic renewal. Strategig Management Journal, 24, 1087-1105.

Daft, R. L., & Weick, K. E. (1984). Toward a model organization as interpretation systems. Academy of Management Review, 9(2), 284-295.

Desidério, P. H. M., & Popadiuk, S. (2015). Redes de inovação aberta e compartilhamento do conhecimento: aplicações em pequenas empresas. Revista de Administração e Inovação, 12(2), 110-129.

Drucker, P. F. (1981). Práticas de administração de empresas. São Paulo: Pioneira.

Eriksson, P., & Kovalainen, A. (2008). Qualitative methods in business research. London: SAGE Publications Ltd.

Etzioni, A. (1964). Modern organizations. New Jersey: Prentice-Hal.

Fagundes, F. M., & Gimenez, F. A. P. (2009). Ambiente, estratégia e desempenho em micro e pequenas empresas. Revista Brasileira de Estratégia. 2(2), 133-146.

Fiori, D. A., & Seifert, R. E. (2013). Os Significados da Ideologia do Crescimento Organizacional: um estudo com empresas de pequeno porte no setor supermercadista. In: Anais, XXXVII Enanpad. Rio de Janeiro.

Fletcher, M., & Harris, S. (2002). Seven Aspects of Strategy Formation: Exploring the Value of Planning. International Small Business Journal, 20(3), 297-314.

Gibb, A. (2009). Meeting the development needs of owner managed small enterprise: a discussion of the centrality of action learning. Action Learning: Research and Practice, 6: 209–227.

Gibbons, P. T., & O’connor, T. (2005). Influences on strategic planning processes among Irish SMEs. Journal of Small Business Management. 43(2), 170-186.

Gimenez, F. A. P., Pelisson, C., Krüger, E. G. S., & Hayashi Jr, P. (1999). Estratégia em pequenas empresas: uma aplicação do modelo de Miles e Snow. Revista Administração Contemporânea. 3(2).

Goffee, & Scase (1995). Corporate Realities: the dynamics of organisations - large and small, Routledge, London.

Gray, C., & Mabey, C. (2005). Management development: key diferences between small and large business in Europe. International Samll Business Journal, v. 23, 5, 467-485.

Hayashi Jr, P., Baraniuk, J. A., & Bulgacov, S. (2006). Mudanças de conteúdo estratégico em pequenas empresas de massas alimentícias. Revista de Administração Contemporânea, 10(3), 159-179.

Higgins D., Mirza M., & Drozynska, A. (2013). Power, politics and learning: a social enactment of the SME owner/manager. Journal of Small Business and Enterprise Development, 20(3): 470–483.

Hofer, E., Welgacz, H. T., Lorenzi, A. G. A., & Damke, E. (2010). Um estudo de formação de estratégias no contexto de pequenas empresas da cidade de Curitiba-Pr. In: Gimenez, F. A. P; Ferreira, J. M; Ramos, S. C. (Org.). Empreendedorismo e estratégia de empresas de pequeno porte, 3Es2Ps. Curitiba: Champagnat, p. 141–158.

Invernizzi, A. C., Menozzi, A., Passarani, D. A., Paton, D., & Vigia, G. (2016). Entrepreneurial overconfidence and its impact upon performance. International Small Business Journal. 28, November, online publication.

Jaouen, A., & Lasch, F. (2013). A new tipology of micro-firms owner-managers. International Small Business Journal, v. 33, 4, 397-421.

Johnson, G., Scholes, K., & Whittington, R. (2007). Explorando a estratégia corporativa. 7. Ed. Porto Alegre: Bookman.

Kahneman. D. (2012). Rápido e devagar: duas formas de pensar. Rio de Janeiro: Objetiva.

Leone, N. M. C. P. G. (1999). As especificidades das pequenas e médias empresas. Revista de Administração. São Paulo, 34(2), 91-94.

Lima, E., Filion, L. J., Dalfovo, O., & Urbanavicius, V. (2013). Gestão Estratégica e Compartilhamento da Visão em Micro e Pequenas Empresas. Revista Iberoamericana de Estratégia, 12(2).

Lima, E. (2010). Estratégia de pequenas e médias empresas: uma revisão. REGE, 17(2), 169-187.

Lima, E. (2008). A Gestão estratégica de pequenas e médias empresas segundo a abordagem da aprendizagem sistêmica. Gestão & Planejamento, (9), 22-34.

Longenecker, J. G., Moore, C. W., Petty, J. W., & Palich, L. E. (2008). Small business management: launching and growing entrepreneurial ventures. Chicago: Thomson South-Western.

Martin-Rios, C., & Erhardt, N. (2016) Small business activity and knowledge exchange in informal interfirm networks. International Small Business Journal, (35) 3, pp. 285-305.

McCarthy, B. (2003). Strategy is personality-driven, strategy is crisis-driven: insights from entrepreneurial firms, Management Decision, 41(4), pp. 327-339.

Meyer V. JR., Pascuci, L. M., & Mamédio, D. (2016). Managerialism in complex systems: experiences of strategic planning in non-profit hospitals. In: _______. Towards a comparative institutionalism: forms, dynamics and logics across the organizational fields of health care and higher education

Miles, R. E., & Snow, C. C. (1978). Organizational strategy, structure, and process. New York: McGrow-Hill.

Mintzberg, H. (1994). The Fall and Rise of Strategic Planning. Harvard Business Review, jan-feb.

Mintzberg, H. (1978). Patterns in Strategy Formation. Management Science, 24(9).

Mintzberg, H., Ahlstrand, B., $ Lampel, J. (2010). Safári de estratégia. Porto Alegre: Bookman.

Mintzberg, H, & Waters, J. A. (1985). Of strategies, deliberate and emergent. Strategic Management Journal, 6, 257-272.

Nakamura, M. M., & Escrivão Filho, E. (1998). Estratégia empresarial e as pequenas e médias empresas; um estudo de caso. In: Anais, XVIII ENEGEP. Rio de Janeiro.

Nonaka, H. T., & Souza, J. P. (2011). Formulação e formação de estratégias: o caso de micro e pequenas empresas de confecção e vestuário na cidade de Londrina – Pr. Qualit@s Revista Eletrônica. 12 (2).

Nordqvist, M. (2012). Understanding strategy processes in family firms: exploring the role of actors and arenas. International Small Business Journal, 30 (1), 24-40.

O’Brien, F. (2011). Supporting the strategy process: A survey of UK OR/MS practitioners. Journal of the Operational Research Society, 62, 900–920.

Quinn J. B. (1978). Strategic change: logical incrementalism. Sloan Management Review. 20(1), 7-21.

Pascuci, L. M., & Meyer Jr., V. (2013). Formação de estratégias em contextos complexos e pluralistas. Revista de Administração Contemporânea, 17(15), 536-555.

Ramos, S. C., Ferreira, J. M., & Gimenez, F. A. (2011). Cognição do ambiente competitivo: um estudo dos construtos mentais utilizados por proprietários de pequenas empresas. Revista de Administração Contemporânea, 15(3), 392-412.

Rocha, D. T., Walter, S. A., Silva, E. D., & Gimenez, F. A. P. (2011). Processo de formação de estratégia em pequenas empresas: um estudo bibliométrico e sociométrico. Revista da Micro e Pequena Empresa, 5(1), 102-119.

Rossetto, C. R., Cancllier, E.L.P.L, Roman Neto, J., & Hoffmann, V. E. (2006). Comportamento estratégico em pequenas e médias empresas – estudo multicascos em pousadas na Lagoa da Conceição. Revista de Negócios, 11(3), 93-108.

Santos, L. L. S., Alves, R. C., & Almeida, K. N. T. (2007). Formação de estratégia nas micro e pequenas empresas: um estudo no centro-oeste mineiro. Revista de Administração de Empresas, 47(4), 59-73.

Seifert, R. E., Child, J., & Rodrigues, S. B. (2012). The role of interpretation in the internationalisation of smaller Brazilian firms. Brazilian Administration Review, 9(4), 475-497.

Seifert, R. E., & Vizeu, F. (2011). A ideologia do crescimento organizacional: um olhar histórico. In: Anais, XXXV Enanpad, Rio de Janeiro.

Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequena Empresa (SEBRAE) (2010). Anuário do trabalho na micro e pequena empresa: 2009. 3. Ed. Brasília; São Paulo: SEBRAE, DIEESE.

Simon, H. (1957). Administrative Behavior. 4. Ed. New York: The Free Press.

Spillan, J. E., & Ziemnowics, C. (2003). Strategic management in small retail businesses: the case of Guatemala. International Small Business Journal, vol. 21, 4: pp. 461-478.

Stake, R. (1994). Case studies. In: Norman, K., Denzin, N. K. & Lincoln, Y. S. (Eds.), Handbook of Qualitative Research. Thousand Oaks: Sage, 236-247.

Terence, A. C. F. (2002). Planejamento estratégico como ferramenta de competitividade na pequena empresa: desenvolvimento e avaliação de um roteiro prático para o processo de elaboração do planejamento. 238 f. Dissertação (Mestrado em engenharia da produção), Escola de engenharia da Universidade de São Paulo. São Carlos.

Weick, K. E. (1995). Sensemaking in organizations. Thousand Oaks: Sage.

Whittington, R. (2002). O que é estratégia. São Paulo: Thomson.

Whittington, R. (1996). Strategy as practice. Long Range Planning. 29(5), 731-735.

Wit, B., & Meyer, R. (2010). Strategy: process, content, context; an international perspective. USA: West Publishing Company.




DOI: https://doi.org/10.14211/regepe.v7i1.633

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia