Estilos Gerenciais dos Dirigentes de Pequenas Empresas: Estudo Baseado no Ciclo de Vida Organizacional

Ivonez Xavier de Almeida, Rodney Wernke

Resumo


O presente estudo objetivou identificar os estilos gerenciais dos dirigentes de pequenas empresas conforme o ciclo de vida dessas organizações. A pesquisa é considerada de natureza aplicada, descritiva, quantitativa e utilizou o procedimento de survey. A amostra abrangeu 45 pequenas empresas (15,35% das 232 firmas que integravam a associação empresarial regional visada), que empregam até 50 funcionários. Em relação ao ciclo de vida, 10 empresas foram classificadas no estágio 1 (Estabelecimento), 16 no estágio 2 (Direção) e 19 no estágio 3 (Consolidação). Quanto às atividades, distribuídas em funções e papéis, as mais valorizadas em relação à abordagem de processos foram as de “planejador” e “controlador” nos três estágios citados. Para os papéis, as atividades mais valorizadas foram as de “alocador de recursos”, “monitor” e “empreendedor” (no estágio 1) e para os estágios 2 e 3 foram as de “líder”, “contato” e “monitor”. A análise fatorial indicou quatro grupos de estilos (orientação, direção, relações públicas e solucionador de distúrbios). A principal contribuição do estudo residiu na geração de subsídios para que as instituições de ensino superior e entidades empresariais da região foco da pesquisa elaborem políticas de formação de dirigentes de forma mais customizada, contemplando gestores com formações em áreas distintas da administrativa. Quanto às limitações associáveis ao estudo, estão relacionadas à diversidade de empresas e o tamanho da amostra utilizada.

Palavras-chave


Estilo Gerencial; Ciclo de Vida Organizacional; Pequenas Empresas.

Texto completo:

PDF

Referências


Acz, Z. J., & Armington, C. (2006). Entrepreneurship, geography and american economic growth. Cambridge: Cambridge University Press.

Adizez, I. (1996). Os ciclos de vida das organizações. São Paulo: Pioneira.

Almeida, F. M. de, Valadares, J. L., & Sediyama, G. A. (2017). A contribuição do empreendedorismo para o crescimento econômico dos estados Brasileiros. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 6(3), pp. 466-494.

Aranha, F., & Zambaldi, F. (2008). Análise fatorial em administração. São Paulo: Cengage Learning.

Armstrong, S. J., Cools, E., & Sadler-Smith, E. (2012). Role of cognitive styles in business and management: reviewing 40 years of research. International Journal of Management Reviews, v. 14(3), pp. 238-262.

Audretsch, D. B., & Beckmann, I. A. M. (2007). From small business to entrepreneurship policy. In: Audretsch, D. B., Grilo, I., & Thurik, A. R. (Org.). Handbook of research on entrepreneurship policy. Cheltenham: Edward Elgar Publishing, pp.36-53.

Baldassarri, C., Mathieux, F., Ardente, F., Wehmann, C., & Deese, K. (2016). Integration of environmental aspects into R&D inter-organizational projects management: application of a life cycle-based method to the development of innovative windows. Journal of Cleaner Production, v. 112(1), pp. 3388-3401.

BNDES. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. (2017). Classificação de porte de empresa. Disponível em:

. Acessado em: 17 dez. 2017.

Bayarystanova, E., Arenova, A., & Nurmuhametova, R. (2014). Education system management and professional competence of managers. Procedia-Social and Behavioral Sciences, v. 140, pp. 427-431.

Beuren, I. M., & Pereira, A. M. (2013). Análise de artigos que relacionam ciclo de vida organizacional com controles de gestão. Revista de Administração e Inovação, v. 10(2), pp.123-143.

Botinha, R. A., & Lemes, S. (2013). IFRS para pequenas e médias empresas: percepção sobre a adoção das normas internacionais no Brasil. Revista de Administração e Contabilidade - ReAC, v. 5(3), pp.117-137.

Braskaran, S. (2006). Incremental Innovation and business performance: small and medium-sized enterprises in a concentrated industry environment. Journal of Small Business Management, v. 4(1), pp.64-80.

Brouthers, K.D., Andriessen, F., & Nicolaes, I. (1998). Driving blind: strategic decision-making in small companies. Long Rang Planning, v. 31(1), pp.130-138.

Carree, M. A., & Thurik, A. R. (2010). Handbook of entrepreneurship research, international handbook series on entrepreneurship. Org. Acs, Z. J., & Audrersch, D. B. Springer Science+Business Media: LLC.

Carvalho, K. L., Saraiva Junior, A. F., Frezatti, F., & Costa, R. P. (2010). A contribuição das teorias do ciclo de vida organizacional para a pesquisa em contabilidade gerencial. RAM. Revista de Administração Mackenzie, v. 11(4) pp.1-10.

Chiu, R. H., & Yen, C. D. (2015). Application of organizational life cycle theory for port reform initiatives in Taiwan. Research in Transportation Business & Management, v. 14(1), pp.14-24.

Day, J. (2000). The value and importance of de small firm to de world economy. European Journal of Marketing, Bradford, v. 34(9), pp.1033-1037.

Durst, S. & Edvardsson, I. R. (2012). Knowledge Management in SMEs: A Literature Review. Journal of Knowledge Management, v. 16(6), pp.879-903.

Elsayed, K., Wahba, H. (2016). Reexamining the relationship between inventory management and firm performance: an organizational life cycle perspective. Future Business Journal, v. 2(1), pp. 65-80.

Faria, J. A., Azevedo, T. C., & Oliveira, M. S. (2012). A utilização da contabilidade como ferramenta de apoio à gestão nas micro e pequenas empresas do ramo de comércio de material de construção de Feira de Santana/BA. Revista da Micro e Pequena Empresa, v. 6(2), pp.89-106.

Faveri, D. B., Cunha, P. R., Santos, V., & Leandro, D. A. (2014). Relação do ciclo de vida organizacional com o planejamento: um estudo com empresas prestadoras de serviços contábeis do estado de Santa Catarina. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, v. 8(4), pp. 382-402.

Fayol, H. (1975). Administração industrial e geral. São Paulo: Atlas.

Field, A. (2009). Descobrindo estatística usando SPSS. 2. ed., Porto Alegre: Artmed.

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Gupta, Y. P., & Chin, D. C. W. (1994). Organizational life cycle: a review and proposed directions for research. The Mid-Athantic Journal of Business, v. 30(3), pp.269-294.

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2005). Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman.

Hanks, S. H., Watson, C. J., Jansen, E., & Chandler, G. N. (1993). Tightening the lifecycle construct: a taxonomic study of growth stage configurations in high-technology organizations. Entrepreneurship: theory and practice, v. 18(2), pp.5-25.

Jennings, P. L., & Beaver, G. (1995). Dimension of small business failure. Journal of Strategic Change, v. 4(4), pp.185-200.

Jordão, R. V. D., & Novas, J. C. (2017). Knowledge management and intellectual capital in networks of small and medium-sized enterprises. Journal of Intellectual Capital, v. 18(3), pp.1-26.

Khalique, M., Bontis, N., Shaari, J. A. N. B., & Isa, A. H. M (2015). Intellectual capital in small and medium enterprises in Pakistan. Journal of Intellectual Capital, v. 16(1), pp. 224-238.

Klann, R. C., Klann, P. A., Postai, K. R., & Ribeiro, M. J. (2012). Relação entre o ciclo de vida organizacional e o planejamento em empresas metalúrgicas do município de Brusque-SC. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 6(16), pp. 119-142.

Leite Filho, G., & Colares, A. F. V. (2016). Relação entre competências empreendedoras e a taxa de crescimento de vendas de pequenas e médias empresas brasileiras. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 5(1) pp. 117-140.

Leone, N. M. C. P. G. (1999). As especificidades das pequenas e médias empresas. Revista de Administração, v. 34(2), pp. 91-94.

Leone, N. M. C. P. G. (1991). A dimensão física das pequenas e médias empresas: a procura de um critério homogeneizador. Revista de Administração de Empresas, v. 31(2), pp. 53-59.

Lockrey, S. (2015). A review of life cycle based ecological marketing strategy for new product development in the organizational environment. Journal of Cleaner Production, v. 95(15), pp. 1-15.

Marques, L., Cunha, P. R., Faveri, D. B., & Walter, F. M. (2014). Relação entre o ciclo de vida organizacional e o processo orçamentário em empresas metal-mecânicas do alto e médio Vale do Itajaí. Enfoque: Reflexão Contábil, v. 33(2), pp. 1-18.

McCarthy, B. (2003). Strategy is personality-driven, strategy is crisis-driven: insights form entrepreneurial firms. Management Decision, v. 41(4), pp. 327-339.

Meireles, B. O., Debastiani, S. M., & Rojo, C. A. (2015). Proposta de intervenção empresarial com base no ciclo de vida organizacional proposto por Greiner: o caso da Scherer Indústria de Implementos Agrícolas. Revista Capital Científico - Eletrônica, v. 13(3), pp. 111-123.

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio [MDIC]. (2015). Metodologia Aplicada para a Elaboração da Publicação Exportação Brasileira por Porte de Empresa. Brasília: MDIC.

Mintzberg, H. (2003). Criando organizações eficazes. São Paulo: Atlas.

Mintzberg, H. (1973). The nature of managerial work. New York: Harper and Row.

Mintzberg, H. (1971). Managerial work: analysis from observation. Management Science, Providence, v. 18(2), pp. 97-110.

Morais, C. M. (2005). Escalas de medida, estatística descritiva e inferência estatística. Escola Superior de Educação. Instituto Politécnico de Bragança. Bragança, 2005. Disponível em: . Acesso em: 29 mar. 2018.

Moreira, H., Moreira, M., & Silva, W. C. (2014). Dez anos de pesquisa em empreendedorismo apresentados nos Enanpads de 2003 a 2012: análise dos autores engajados na área. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 3(1), pp. 33-55.

Nadler, D. A., Gerstein, M. S., & Shaw, R. B. (1994). Arquitetura organizacional: a chave para a mudança empresarial. Rio de Janeiro: Campus.

Oliveira, J. de, & Escrivão Filho, E. (2009). Ciclo de vida organizacional: alinhamento dos estágios das pequenas empresas em quatro dimensões. Revista Gestão Industrial, v. 5(1), pp. 155-176.

Oliveira, J., Nagano, M. S., & Escrivão Filho, E. (2012). O trabalho do administrador dos dirigentes das pequenas empresas: estilos baseados nas abordagens do processo e dos papéis para empresas do setor metalúrgico do Brasil. In: Encontro de estudos sobre empreendedorismo e gestão de pequenas empresas, 2012, Florianópolis, 2012. Anais eletrônicos... Florianópolis, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2017.

Oliveira, J.; Escrivão Filho, E., Nagano, M. S., & Ferraudo, A. S. (2015). Estilos gerenciais dos dirigentes de pequenas empresas: estudo baseado no ciclo de vida organizacional e nos conceitos de funções e papéis do administrado. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 17(57), pp. 1279-1299.

Pereira, R. M., Borini, F. M., & Fischmann, A. A. (2017). Estilo cognitivo e as dimensões do processo de estratégia em micro e pequenas empresas. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 6(3), pp. 525-552.

Quinn, R. E., & Cameron, K. (1983). Organizational life cycles and shifting criteria of effectiveness: some preliminary evidence. Management Science, v. 29(1), pp. 33-51.

Rahimi, F., & Fallah, S. (2015). Study of organizational life cycle and its impact on strategy formulation. Procedia - Social and Behavioral Sciences, v. 207(20), pp. 50-58.

Ramos, F. (1995). A grande dimensão da pequena empresa: perspectivas de ação. Brasília: SEBRAE.

Resta, B., Gaiardelli, P., Pinto, R., & Dotti, S. (2016). Enhancing environmental management in the textile sector: an organisational-life cycle assessment approach. Journal of Cleaner Production, v. 135(1), pp. 620-632.

Santini, S., Favarin, E. de V., Nogueira, M. A., Oliveira, M. L. de., & Ruppenthal, J. E. (2015). Fatores de mortalidade em micro e pequenas empresas: um estudo na região central do Rio Grande do Sul. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, v. 8(1), pp. 145-169.

Santos, V., Dorow, D. R., & Beuren, I. M. (2016). Práticas gerenciais de micro e pequenas empresas. Revista Ambiente Contábil, v. 8(1), pp. 153-186.

Schumacher, E. F. (1977). O negócio é ser pequeno. Rio de Janeiro: Zahar.

Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequenas Empresas [Sebrae]. (2014). Participação das micro e pequenas empresas na economia brasileira. Disponível em Acesso em: 21 dez. 2017.

Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequenas Empresas [Sebrae]. (2017). Critérios de classificação do porte da empresa. Disponível em: . Acesso em: 23 fev. 2018.

Souza, B. C., Necyk, G. A., & Frezatti, F. (2008). Ciclo de vida das organizações e a contabilidade gerencial. Enfoque: Reflexão Contábil, v. 27(1), pp. 9-22.

Staley, E. (1958). Small industry development. Research Program on Small Industry Development. Stanford Research Institut, 1, dezembro.

Staley, E., & Morse, R. (1965). Modem Small Industries for Developing Countries. California Stanford Research Institut, p. 9.

Su, S., Baird, K., & Schoch, H. (2015). The moderating effect of organizational life cycle stages on the association between the interactive and diagnostic approaches. Management Accounting Research, v. 26(1), pp. 40-53.

Teixeira, H. J. (1981). O trabalho de dirigentes de pequenas e médias empresas. Revista de Administração, v. 16(3), pp. 76-94.

Terence, A. C. F. (2008). Processo de criação de estratégias em pequenas empresas: elaboração de um mapa estratégico para empresas de base tecnológica do polo de São Carlos-SP. 2008, 253 p. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção), Escola de Engenharia de São Carlos, São Carlos.

Vogel, J., & Wood Junior, T. (2012). Práticas gerenciais de pequenas empresas industriais do estado de São Paulo: um estudo exploratório. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 1(2), pp. 117-140.

Wang, G., & Singh, P. (2014). The evolution of CEO compensation over the organizational life cycle: A contingency explanation. Human Resource Management Review, v. 24(2), pp. 144-159.

Wegner, D. A., Lievi, R. M., & Begnis, H. S. M. (2015) The life cycle of small-firm networks: an evaluation of brazilian business networks. BAR - Brazilian Administration Review, v. 12(1), pp. 39-62.

Wernke, R., Pletsch, A. L. B., Junges, I., & Zanin, A. (2017). Características do financiamento do capital de giro de pequenas empresas do sul de Santa Catarina. REMIPE - Revista de Micro e Pequenas Empresas e Empreendedorismo da Fatec Osasco, v. 3(2), pp. 211-242.

Woods, A., & Joyce, P. (2003). Owner-managers, and the practice of strategic management. International Small Business Journal, v. 21(2), pp. 181-195.

Wren, D. A., Bedeian, A. D., & Breeze, J. D. (2002). The Foundations of Henry Fayol's administrative theory. Management Decision, Wagon Lane, v. 40(9), pp. 906-919.

Zica, R., Gonçalves, C., & Martins, H. (2016). Internacionalização de micro, pequenas e médias empresas: uma avaliação sobre o processo decisório estratégico. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 5(3), pp. 30-58.




DOI: https://doi.org/10.14211/regepe.v7i3.737

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia