Intraempreendedorismo no Setor Público: Análise do Comportamento Empreendedor de Gestores Públicos Municipais por Meio do Carland Entrepreneurship Index (CEI)

Marcus Vinicius Gonçalves da Silva, Maria Lúcia Figueiredo Gomes de Meza, Antonio Gonçalves de Oliveira, Mário Procopiuck

Resumo


Este trabalho tem por objeto de estudo a criação de um instrumento que permita analisar as características comportamentais empreendedoras dos agentes políticos que ocupam cargos de chefia, direção e assessoramento na administração pública municipal. A análise insere-se em um campo de estudos embrionário na área da gestão pública no Brasil: o empreendedorismo no setor público. Quanto ao método, a pesquisa classifica-se em aplicada, qualitativa e descritiva, e utiliza o instrumento Carland Entrepreneurship Index (CEI), adaptado neste estudo, para o caso da gestão pública do município de Apucarana, localizado na mesorregião norte-central do estado do Paraná. Os resultados demonstram que a presença de características comportamentais empreende­doras na gestão pública incorre, por um lado, em mais riscos, mas por outro, em maior potencial inovador, o que pode produzir externalidades positivas para as finanças municipais e políticas públicas, constituindo-se em importante força para o desenvolvimento institucional e socioeconômico.


Palavras-chave


Empreendedorismo Público; Intraempreendedorismo; Gestão Pública Municipal; Índice de Empreendedorismo de Carland

Texto completo:

PDF

Referências


Alford, J., & Hughes, O. (2008). Public valeu pragamatism as the next phase of public management. The American Review of Public Administration, v. 38, n. 2, p. 196-217. Sage Publications. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2016.

Andrews, C. W., & Kouzmin, A. (1998). O discurso da nova administração pública. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, (45), 97-129. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2016.

Antoncic, B., & Hisrich, R. D. (2003). Clarifying the intrapreneurship concept. Journal of Small Business and Enterprise Development, v. 10, n. 1, p. 7-24.

Baratter, M. A, Ferreira, J. M., & Costa, M. C. (2010). Empreendedorismo Institucional: Características Da Ação Intencional. Perspec. Contemp., Campo Mourão, Edição Especial, p. 237-266, out.

Barbosa, J. D.; Teixeira, R. M. (2001). Apesar dos pesares, vale a pena ser pequeno empresário? Traçando perfil e descobrindo motivos. In: Encontro de Estudos sobre Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas. Londrina. Anais... Londrina: Universidade Estadual de Londrina, p.14-30.

Barrett, P. (2002). Achieving better practice corporate Governance in the public sector. Austrália. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2016.

Bernardi, L. (2012). A. Manual de empreendedor e gestão: fundamentos, estratégias e dinâmicas. São Paulo: Atlas.

Bernier, L., & Hafsi, T. (2007). The changing nature of public entrepreneurship. Public Administration Review, v. 67, n. 3, p. 488-503.

Bouchikhi, H. (1993). A construtivist framework for understanding entrepreneurship performance. Organization Studies, v. 14, n. 4, p. 549-571.

Brasil. (2016). Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde, Resolução n.º 510 de 07 de abril. Ética na Pesquisa na área de Ciências Humanas e Sociais. Disponível em:. Acesso em: 30 nov. 2016.

Borges, A. (2004). Lições de reformas da gestão educacional: Brasil, EUA e Grã-Bretanha. São Paulo em Perspectiva. São Paulo, 18(3): pp. 78-89.

Borsa, J. C., Damásio, B. F., & Bandeira, D. R. (2012). Adaptação e validação de instrumentos psicológicos entre culturas: Algumas considerações. Paidéia (Ribeirão Preto), 22(53), 423-432. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1982-43272253201314

Brazeal, D. V. & Herbert, T. T. (1999). The genesis of entrepreneurship. Entrepreneurship: Theory & Practice, Oxford, v.23, n.3, p.29-46.

Bresser Pereira, L. C. (1997). Estratégia e estrutura para um novo estado. Revista do Serviço Público, v. 124, n. 1, p. 5-25, jan./abr.

Burgelmann, R. A. (1983). Designs for corporate entrepreneurship. Californian Management Review, California, v. 26, p. 154-66.

Carland, J. A., Carland, J. W., Nasi, S., & Nasi, J. (1998). Gender diferences between Finnish and American entrepreneurs: an exploraty study. In: National Small Business Consulting Conference, 22., Santa Fé. Proceedings... Santa Fé: Small Business Institute Director´s Association.

Carland, J. W., Carland, J. A. C., & Ensley, M. D. (2001). Hunting THE Heffalump: the theoretical basis and dimensionality land entrepreneurship index. Academy of Management Journal, v. 7, n. 2, p. 51-84.

Carland, J. W., Carland, J. A. C., & Hoy, F. S. (1992). An entrepreneurship index: an empirical validation. Frontiers of Entrepreneurship Research, Edition.

Castor, J. B. V. (2000). O Brasil não é para amadores: estado, governo e burocracia na terra do jeitinho. Curitiba. EBEL: IBOP-PR, 270p.

Cornwall, J. R., & Perlman, B. (1990). Organisational entrepreneurship. Irwin: Omewood.

Cromie, S. (2000). Assessing entrepreneurial inclinations: some approaches and empirical evidence. European Journal of Work and Organization Psychology, v. 9, n. 1, p. 7-30.

Culti-Gimenez, S., Costa, M. I., Schypula, A., & Gimenez, F. A. P. (2006). Comportamento empreendedor de alunos do curso de turismo. Cadernos da Escola de Negócios, v. 4, n. 4, jan./dez.

Currie, G., Humphreys, M., Ucbasaran, D., & McManus, S. (2008). Entrepreneurial leadership in the English public sector: Paradox or possibility? Public Administration, v. 86, n. 4, p. 987-1008.

Danjou, I. L. (2002). Entrepreneuriat: um champfertile à larecherche de sonunité. Paris, Revuefrançaise de Gestión, v. 28, n. 138, p. 109-125.

Das, T. K., & Teng, B. S. (1997). Time and entrepreneurial risk behavior. Entrepreneurship: Theory and Practice, v. 22, n. 2, p. 59-89.

Diefenbach, F. E. (2011). Entrepreneurship in the public sector: when middle managers create public value. Wiesbaden. Gabler Research, p. 165-166.

Dornelas, J. C. A. (2008). Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Dornelas, J. C. A. (2003). Empreendedorismo corporativo: como ser empreendedor, inovador e se diferenciar na sua empresa. Rio de Janeiro: Elsevier.

Drucker, P. F. (1986). Inovação e espírito empreendedor. Práticas e princípios. São Paulo: Pioneira.

Drucker, P. F. (1985). Innovation and entrepreneurship: practice and principles. Londres: Butterworth-Heinemann.

Emmendoerfer, M. L., & Valadares, J. L. (2011). Reflexões e perspectivas acerca da construção do conhecimento sobre empreendedorismo interno. Revista de Ciências de Administração, Florianópolis, v. 13, n. 30, maio/ago.

Ensley, M. D., Carland, J. W. & Carland, J. A. C. (2000). Investigating the existence of the leader entrepreneur. Journal of Business Management, v. 38, n. 4, p. 59-78.

Espejo, M. M. S. B. (2004). A atividade empreendedora no ensino superior privado: uma análise do perfil do empreendedor gestor e das estratégias utilizadas pelas instituições superiores privadas das cidades de Londrina e Maringá. Londrina, 2004. 125f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Programa de Pós-Graduação em Administração. Londrina.

Exton, R. (2008). The entrepreneur: a new breed of health service leader? Journal of Health Organization and Management, v. 22, n. 3, p. 208-222.

Feldman, M. S. (2004). Resources in Emerging Structures and Processes of Change. Organization Science, 15 (3), p. 295-309.

Ferreira, J. M. (2005). Potencial empreendedor e liderança criativa: um estudo com varejistas de materiais de construção da cidade de Curitiba-PR. 132f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba.

Festa, M. P., & Garcia, M. (2013). Perfil Intraempreendedor: um estudo sobre o perfil professional encontrado em organização pública do setor bancário brasileiro. Revista Cadernos Unifoa, Volta Redonda, v. 7, n. 21, p. 01-19, abr.

Filion, L. J. (2004). Entendendo os intraempreendedores como visionistas. Revista de Negócios, v. 2, p. 65-80.

Fischer, A. L. (2002). Um resgate conceitual e histórico dos modelos de gestão de pessoas, In: Fleury, M. T. L. (Org.). As pessoas na organização. São Paulo: Gente, p. 11-33.

FNP. Frente Nacional de Prefeitos. (2016). Programas municipais rendem prêmios para Apucarana. Disponível em: . Acesso em: 09 abr. 2017.

Freitas, A. A. F., Ribeiro, R. C. L., Barbosa, R. T., & Patricio, P. E. A. (2009). O potencial empreendedor de empreendedores informais clientes de programas de microcrédito: uma avaliação sob as perspectivas de capital humano e gênero. In: Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação Em Administração, 33, São Paulo. Anais... São Paulo: ANPD, CD-ROM.

GEM. (2015). Global Entrepreneurship Monitor. Empreendedorismo no Brasil. Curitiba, IBPQ.

Gerber, M. E. (2004). Empreender: fazendo a diferença. São Paulo: Fundamento Educacional.

Gibb, A. A. (1987). Enterprise Culture – its meaning and implications for education and training. Journal of European Industrial Training, v. 11, n. 2.

Gimenez, F. A. P., Inácio Jr, E., & Sunsin, L. A. S. B. (2001). Uma Investigação Sobre a Tendência do Comportamento Empreendedor. In: SOUZA, E. C. L. de (Org.). Empreendedorismo. Competência essencial para pequenas e médias empresas. Brasília: ANPROTEC, 2001, p. 9-24.

Gjersing, L., Caplehorn, J. R. M., & Clausen, T. (2010). Cross-cultural adaptation of research instruments: Language, setting, time and statistical considerations. BMC Medical Research Methodology, 10, 13. doi:10.1186/1471-2288-10-13.

Godoy, A. S. (1995). Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, p. 20-29, maio/jun.

Hall, C. S., Lindzey. G., & Campbell, J. B. (2000). Teorias da personalidade. 4.ed. São Paulo: Artmed.

Hambleton, R. K. (2005). Issues, designs, and technical guidelines for adapting tests into multiple languages and cultures. In R. K. Hambleton, P. F. Merenda, & C. D. Spielberger (Eds.). Adapting educational and psychological tests for cross-cultural assessment (pp. 3-38). Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum.

Hartley, J. (2005). Innovation in governance and public servies: past and presente. Public Money & Management, jan.

Hashimoto, M. (2009). Organizações intraempreendedoras: construindo a ponte entre clima interno e desempenho superior. 363f. Tese de doutorado. EAESP/FGV, São Paulo.

Hofer, E., Welgacz, H. T., Lorenzi, A. G. A., & Damke. E (2010). Um estudo de formação de estratégias no contexto de pequenas empresas da cidade de Curitiba-PR. In: Gimenez, F.; Ferreira, J.; Ramos, S. (Orgs.). Empreendedorismo e estratégia de empresas de pequeno porte 3Es2Ps. Curitiba: Champagnat, p.141-158.

IBGE. (2017). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2017.

Inácio Júnior, E. (2002). Empreendedorismo e liderança criativa: um estudo com os proprietários-gerentes de empresas incubadas no Estado do Paraná. 136f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Departamento de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR.

Inácio Júnior, E., & Gimenez, F. A. P. (2004). Potencial Empreendedor: um instrumento para mensuração. Revista de Negócios, v. 9, n. 2, p. 107-116.

Kearney, C., Hisrich, R., & Roche, F. (2009). Public and private sector entrepreneurship: Similarities, differences or a combination? Journal of Small Business and Enterprise Development, v. 16, n. 1, p. 26-46.

Kearney, C.; Hisrich, R., & Roche, F. (2007). Facilitating public sector corporate entrepreneurship process: a conceptual model. Journal of Enterprising Culture, v. 15, n. 3, p. 275-99.

Kettl, D. F. (2006). A revolução global: reforma da administração do setor público. In: Bresser-Pereira, L. C.; Spink, P. K. (Orgs.). Reforma do Estado e administração pública gerencial. 7.ed. Rio de Janeiro: FGV, p. 75-121.

Keh, H., Foo, M., & Lim, B. C. (2002). Opportunity evaluations under risk conditions: the cognitive processes of entrepreneurs. Entrepreneurship: theory and practice. Oxford, v. 27, n. 2, p. 125-148.

Klein, P. G., Mahoney, J. T., Mcgahan, A. M., & Pitelis, C. N. (2010). Toward a theory of public entrepreneurship. European Management Review, v. 7, p. 1-15.

Klein, N. (2008). A doutrina do choque: a ascensão do capitalismo de desastre. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Kliksberg, B. (1994). Redesenho do estado para o desenvolvimento sócio-econômico e a mudança: uma agenda estratégica para a discussão. Revista de Administração Pública, v. 28, n. 3, p. 5-25, jul./set.

Kornijezuk, F. B. S. (2004). Características empreendedoras de pequenos empresários de Brasília. 129 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação da Universidade de Brasília, Distrito Federal, Brasília.

Lewis, E. (1980). Toward a theory of bureaucratic political power. Bloomington, Indiana University Press, 274p.

McClelland, D. C., & Burnham, D. H. (1976). Power is the great motivator. Harvard Business Review, p. 100-110, mar./apr.

McClelland, D. C., & Burnham, D. H. (1972). A sociedade competitiva: realização e progresso social. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura.

Mello, S. C. B., Cordeiro, A., & Paiva Jr., F. G. (2003). Evaluation of the body of knowledge about entrepreneurship of the Latin American Academy. In: The Business Association of Latin American Studies – BALAS. Anais... São Paulo, SP.

Meynhardt, T., & Diefenbach, F. E. (2012). What drives entrepreneurial orientation in the public sector? Evidence from Germany’s federal labor agency, Journal of Public Administration Research and Theory Advance Access published, v. 19, abr.

Meza, M. L. F. G., & Silva, C. L. (Org.) et al. (2012). Políticas públicas e desenvolvimento local: instrumentos e proposições de análise para o Brasil. Curitiba: UTFPR.

Miller, D., & Friesen, P. H. (1983). Strategy-making and environment: The third link. Strategic Management Journal, United Kingdom, v. 4, n. 3, p. 221-235.

Morais, M., Valadares, J. L., Emmendoerfer, M., & Tonelli, D. (2015). Polissemias do empreendedorismo no setor público. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 4, n. 1.

Ortigara, A. A. (2008). A cabeça do empreendedor: o pensamento do fundador de uma empresa de sucesso. Florianópolis: Insular.

Osborne, D., & Gaebler, E. (1992). Reinventing government. Reading Mass: Addisson-Wesley.

Paula, A. P. P. (2005). Por uma nova gestão pública. Rio de Janeiro: Editora FGV, 204p.

Penz, D., et al. (2014). Potencial empreendedor dos discentes do curso de administração de uma instituição de ensino superior privada a luz do Carland Entrepreneurship Index (CEI). In: VIII Encontro De Estudos Em Empreendedorismo E Gestão De Pequenas Empresas, 24 mar. VII EGEPE. Anais... Goiânia.

Pinchot III, G., & Pellman, R. (2004). Intraempreendedorismo na prática: um guia de inovação nos negócios. Rio de Janeiro: Elsevier.

Pinchot III, G. (1985). Intrapreneuring: porque você não precisa deixar a empresa para tornar-se um empreendedor. São Paulo: Harbra.

PMA. (2017). Prefeitura Municipal de Apucarana. História. Disponível em: . Acesso em: 05 abr. 2017.

PMA (2017a). Portal da Transparência. Gestão de Pessoas. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2017.

Rainey, H. G. (2009). Understanding and managing public organizations. 4th ed. San Francisco, CA: Jossey-Bass.

Reichenheim, M. E., & Moraes C. L. (2007). Operacionalização de adaptação transcultural de instrumentos de aferição usados em epidemiologia. Rev. Saúde Pública, v. 41, p. 665-73.

Sadler, R. J. (2000). Corporate entrepreneurship in the public sector: the dance of the chameleon. Australian Journal of Public Administration, v. 59, n. 2, p. 25-43.

Schumpeter, J. A. (1954). History of Economic Analysis. Nova York: Oxford University Press.

Schumpeter, J. A. (1934). The theory of economic development. Oxford University Press.

Secchi, L. (2009). Modelos organizacionais e reformas da administração pública. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, p. 349-369, mar./abr. Disponível em: . Acesso em: 14 set. 2016.

Sequeira, S. V. (2005). Intraempreendedorismo e organizações não-governamentais: prática e discursos. Tese (Doutorado em Administração de Empresas) – Fundação Getúlio Vargas, São Paulo.

Sexton, D. L., Auken, P. M., & Ireland, R. D. (1981). Directions for future research in entrepreneurship. American Journal os Small Business, v. 6, n. 1.

Sousa, J. L., Paiva Junior, F. G. P., & Lira, Z. B. (2010). A abordagem multidimensional do empreendedorismo no setor público: o caso da ação empreendedora da fundação Joaquim Nabuco. Revista Gestão e Planejamento, Salvador, v. 11, n. 2, p. 337-354, jul./dez. Disponível em:. Acesso em: 7 set. 2016.

Stoker, G. (2006). Public value management a new narrative for networked governance? The American Review of Public Administration, v. 36, n. 1, p. 41-57.

Tidd, J., Bessant, J., & Pavitt, K. (2008). Gestão da inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman.

Tormen, J., Nascimento, S., Verdinelli, M. A., & Lizote, S. A. (2015). Potencial empreendedor dos estudantes das Ciências Sociais Aplicadas de uma instituição de ensino superior sob a ótica do Carland Entrepreneurship Index (CEI). Revista ADMpg Gestão Estratégica, Ponta Grossa, v. 8, n. 2, p. 17-25.

Valadares, J. L., & Emmendoerfer, M. L. (2015). A Incorporação do Empreendedorismo no Setor Público: reflexões baseadas no contexto brasileiro. Revista de Ciências da Administração, v. 17, n. 41, p. 82-98, abr.

Valadares, J. L., & Emmendoerfer, M. L. (2012). Cargos de livre nomeação: reflexões com base no empreendedor público em um estado-membro do Brasil. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 16, n. 5, out.

Vieira, S. F., Negreiros, L. F., Melatti, G. A., Gimenez, F. A. P., Souza, J. F. C. F., & Pelisson, C. (2013). Formação de estratégias em micro e pequenas empresas do comércio de Londrina: uma abordagem sob a perspectiva das configurações. Revista da Micro e Pequena Empresa, v. 7, n. 1, jan./abr.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman.




DOI: https://doi.org/10.14211/regepe.v7i2.699

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia