Possíveis Combinações de Gênero no Processo Sucessório em Empresas Familiares: Um Estudo Comparativo no Contexto Brasileiro

Márcia Freire de Oliveira, Andrea Costa van Herk Vasconcelos, Vivian Duarte Couto Fernandes, Rodolfo Ferreira Maritan

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar as possíveis combinações de gênero no processo sucessório em empresas familiares das cidades de Uberlândia e Monte Carmelo, no estado de Minas Gerais, Brasil. A pesquisa foi desenvolvida no nível exploratório e utilizou abordagem metodológica qualitativa por meio de estudo comparativo de doze casos. Os dados foram coletados por intermédio de entrevistas estruturadas em profundidade e analisados pelo método de análise de conteúdo e a técnica de análise categorial, cujas categorias foram definidas a posteriori (preparação da sucessão, processo de sucessão e pós-sucessão). Os resultados evidenciam falta de planejamento na preparação da sucessão, conflitos entre irmãos que ficaram à parte do processo e mudanças na gestão após a saída do sucedido. As combinações de gênero são destacadas, principalmente, nas gestões dos sucedidos/sucedidas, onde a atuação feminina é evidenciada.


Palavras-chave


Empresas Familiares; Processo Sucessório; Gênero; Combinações de Gênero

Texto completo:

PDF

Referências


Avloniti, A., Iatridou, A., Kaloupsis, I., & Vozikis, G. S. (2014). Sibling rivalry: implications for the family business succession process. International Entrepreneurship and Management Journal, v. 10(4), pp. 661-678.

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Bauer, M. W. (2002). Análise de conteúdo clássica: uma revisão. In: Bauer, M. W., & Gaskell, G (Eds.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático (pp. 189-217). Petrópolis: Vozes.

Bork, D. (1986). Family business, risky business: how to make it work. New York: American Management Association.

Campos, L. J., & Mazzilli, C. (1998, setembro). Análise do processo sucessório em empresa familiar: um estudo de caso. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Administração - ANPAD, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 22.

Constantinidis, C. (2010). Entreprise familiale et genre: les enjeux de la succession pour les filles. Reveu fraçaise de gestion, v. 1(200), pp. 143-159.

Constantinidis, C., & Nelson, T. (2009). Integrating Succession and Gender Issues from the Perspective of the Daughter of Family Enterprise: A Cross-National Investigation. Management international, v. 14(1), pp. 43-54.

Davel, E., & Colbari, A (2003, setembro). Organizações familiares: desafios, provocações e contribuições para a pesquisa organizacional. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Administração – ANPAD. Atibaia, SP, Brasil, 27.

Donneley, R. G. (1967). A empresa familiar. Revista de Administração de Empresas, v. 7(23), pp. 161-198.

Frezatti, F., Bido, D. S., Mucci, D. M., & Beck, F. (2017). Estágios do ciclo de vida e perfil de empresas familiares brasileira. Revista de Administração de Empresas, v. 57(6), pp. 601-619.

Flores Jr., J. E., & Grisci, C. L. I. (2012). Dilemas de pais e filhos no processo sucessório de empresas familiares. Rev. Adm., v. 47(2), pp. 325-337.

Goffee, R. (1996). Understanding family businesses: issues for further research. International Journal of Entrepreneurial Behavior & Research, v. 2(1), pp. 36-48.

Grzybovski, D. (2002) O administrador na empresa familiar: uma abordagem comportamental. Passo Fundo: UPF.

Grzybovski, D., & Tedesco, J. C. (1998). Empresa familiar x competitividade: tendências e racionalidades em conflito. Revista Teoria e Evidência Econômica, v. 6(11), pp. 37-68.

Haberman, H., & Danes, S. M. (2007). Father-Daughter and Father-Son Family Business Management Transfer Comparison: Family FIRO Model Application. Family Business Review, v. 20(2), pp. 163-184.

Kubícek, A., & Machek, O. (2018). Gender-related factors in family business succession: a systematic literature review. Review of Managerial Science. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2018.

Lam, W. (2011). Dancing to two tunes: Multi-entity roles in the family business succession process. International Small Business Journal: Researching Entrepreneurship, v. 29(5), pp. 508-533.

Lodi, J. B. (1998). A empresa familiar. 5. ed. São Paulo: Pioneira.

Machado, R. M. C., Wetzel, U., & Rodrigues, M. E. (2008). A experiência de sucessão para herdeiras de empresas familiares do Rio de Janeiro. Cadernos EBAPE.BR, v. 6(3), pp. 1-24.

Mussolino, D., & Calabrò, A. (2014). Paternalistic leadership in family firms: Types and implications for intergenerational succession. Journal of Family Business Strategy, v. 5(2), pp. 197-210.

Nelson, T., & Constantinidis, C. (2017). Sex and Gender in Family Business Succession Research: A Review and Forward Agenda From a Social Construction Perspective. Family Business Review, v. 30(3), pp. 219-241.

Neubauer, F., & Lank, A. G. (1999). La empresa familiar: como dirigirla para que perdure. Bilbao: Deusto.

Otten-Pappas, D. I. M. (2013). The female perspective on family business successor commitment. Journal of Family Business Management, v. 3(1), pp. 8-23.

Overbeke, K. K., Bilimoria; D., & Perelli, S. (2013). The dearth of daughter successors in family businesses: Gendered norms, blindness to possibility, and invisibility. Journal of Family Business Strategy, v. 4(3), pp. 201-212.

Pyromalis, V. D., & Vozikis, G. S. (2009). Mapping the successful succession process in family firms: evidence from Greece. International Entrepreneurship and Management Journal, v. 5(4), pp. 439-460.

Scheffer, A. B. B. (1995). Fatores dificultantes e facilitadores ao processo de sucessão familiar. Revista de Administração, v. 30(3), pp. 80-90.

Silva, R. G., Fernandes, V. D. C., Oliveira, M. F., Camargo, C., Rodrigues, G. M., & Garcia, L. M. (2013, setembro). Conatus e o Processo Sucessório: Limites e Possibilidades à Continuidade da Empresa Familiar. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-graduação em Administração - ANPAD, Rio de Janeiro, RJ, 37.

Silva, E. L., & Menezes, E. M. (2005). Metodologia da Pesquisa e Elaboração de Dissertação. 4. ed. Florianópolis: UFSC.

St-Cyr, L., & Richer, F. (2005). La planification du processus de transmission dans les PME québécoises. Revue Internationale P.M.E, v. 18(3), pp. 73-92.

Triviños, A. N. S. (2007). Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Vera, C. F., & Dean, M. A. (2005). An Examination of the Challenges Daughters Face in Family Business Succession. Family Business Review, v. 18(4), pp. 321-345.

Vozikis, G. S., Weaver, K. M., & Gibson, B. (2009). Family business succession: emphasis on the family not the business. Indian Journal of Economics and Business, special issue, pp. 139-153.

Wright, M., & Kellermanns, F. W. (2011). Family firms: A research agenda and publication guide. Journal of Family Business Strategy, v. 2(4), pp. 187-198.

Yin, R. K. (2010). Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed.Porto Alegre: Bookman.




DOI: https://doi.org/10.14211/regepe.v7i3.803

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia