A Gestão da Inovação como prática: Contribuições do conceito de Gestão Ordinária

Bárbara do Nascimento Alves, Andreza de Amorim Lima Ferreira, Emanuela Ribeiro Lins, Elisabeth Cavalcante dos Santos

Resumo


Objetivo: Analisar as práticas de gestão ordinária como complemento às abordagens da gestão da inovação. Metodologia/abordagem: Pesquisa exploratória, por meio de levantamento bibliográfico. Principais resultados: A gestão ordinária, como auxiliadora das abordagens da gestão da inovação, explica a capacidade dos indivíduos de fazer diversas tarefas de forma coletiva e contextualizada, a fim de realizar todo o trabalho da inovação. Isso pode dar oportunidades ao gestor de conduzir e de reposicionar as atividades pertinentes ao cotidiano organizacional. Contribuições teóricas/metodológicas: Esta pesquisa apresenta relevante discussão de como o trabalho diário das pessoas que compõem a organização permite construir um conhecimento mais integralizado, envolvendo todos os processos relacionados à  complexidade da inovação. Relevância/originalidade: Lançando um novo olhar sobre a organização e suas interações, a gestão ordinária pode ser uma ferramenta teórica útil para apreender a gestão da inovação na prática, pois ela é vista como um processo em que as diversas formas de fazer e de saber dos indivíduos são importantes para o trabalho real da inovação. Contribuições sociais/para a gestão: A relação entre as abordagens da gestão da inovação e da gestão ordinária destaca o trabalho dos indivíduos nos processos de inovação, considerando as idiossincrasias do ambiente organizacional em contextos periféricos.

CLASSIFICAÇÃO JEL: M19


Palavras-chave


Gestão da inovação; Gestão ordinária; Práticas do cotidiano.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Adams, R., Bessant, J., & Phelps, R. (2006). Innovation management measurement: a review. International Journal of Management Reviews, 8(1), 21-47. https://doi.org/10.1111/j.1468-2370.2006.00119.x

Baregheh, A., Rowley, J., & Sambrook, S. (2009). Towards a multidisciplinary definition of innovation. Management Decision, 47(8), 1323-1339. https://doi.org/10.1108/00251740910984578

Barros, A., & Carrieri, A. P. (2015). O cotidiano e a história: construindo novos olhares na administração. Revista de Administração de Empresas, 55(2),151-161. https://doi.org/10.1590/S0034-759020150205

Bin, A., & Salles-Filho, S. L. M. (2012). Science, technology and innovation management: contributions to a methodological framework. Journal of Technology Management and Innovation, 7(2), 73-86. https://doi.org/10.4067/S0718-27242012000200007

Bispo, M. (2013). Estudos Baseados em Prática: conceitos, história e perspectivas. Revista Interdisciplinar de Gestão Social – RIGS, 2(1),13-33. https://doi.org/10.9771/23172428rigs.v2i1.10058

Bispo, M. (2015). Methodological Reflections on Practice-Based Research in Organization Studies. Brazilian Administration Review – BAR, 12(3), art. 5, 309-323. https://doi.org/10.1590/1807-7692bar2015150026

Bispo, M., Soares, L. C., & Cavalcante, E. D. (2014). Panorama dos estudos sobre prática no Brasil: uma análise da produção. In Anais do Encontro Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, 38.

Brasil. (2004). Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004 – Lei da Inovação. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm

Carrieri, A. P., Perdigão, D. A., & Aguiar, A. R. C. (2014). A gestão ordinária dos pequenos negócios: outro olhar sobre a gestão em estudos organizacionais. Revista de Administração, 49(4), 698-713. https://doi.org/10.5700/rausp1178

Carrieri, A. P. et al. (2018). A Gestão Ordinária e suas práticas: o caso da Cafeteria Will Coffee. Revista de Contabilidade e Organizações, 12, e141359. https://doi.org/10.11606/issn.1982-6486.rco.2018.141359

Carvalho, H. G., Reis, D. R., & Cavalcante, M. B. (2011). Gestão da Inovação. Curitiba: Aymará.

Certeau, M. (1998). A invenção do cotidiano: artes de fazer (3. ed.). Rio de Janeiro: Vozes.

Cohendet, P., & Simon, L. (2017). Concepts and Models of Innovation. The Elgar Companion to Innovation and Knowledge Creation (pp. 33-55). Cheltenham, Northampton, MA: Edward Elgar Publishing. https://www.elgaronline.com/view/edcoll/9781782548515/9781782548515.00009.xml

Cooper, R. G. (1994). Third-Generation New Product Processes. Journal of Product Innovation Management, 11(1), 3-14. https://doi.org/10.1111/1540-5885.1110003

Crossan, M. M., & Apaydin, M. (2010). A Multi-Dimensional Framework of Organizational Innovation: A Systematic Review of the Literature. Journal of Management Studies, 47(6),1154-1191. https://doi.org/10.1111/j.1467-6486.2009.00880.x

Czarniawska, B. (2013). Organizations as obstacles to organizing. In Robichaud, D. & Cooren, F. (Eds.), Organizations and organizing materiality, agency, and discourse (pp. 3-22). New York: Routledge. https://doi.org/10.4324/9780203094471

Dougherty, D. (2017). Innovation in Practice. The Elgar Companion to Innovation and Knowledge Creation (pp. 138-151). Cheltenham, Northampton, MA: Edward Elgar Publishing. https://doi.org/10.4337/9781782548522

Duarte, M. F., & Alcadipani, R. (2016). Contribuições do organizar para os estudos organizacionais. Organizações e Sociedade, 23(76), 57-72. https://doi.org/10.1590/1984-9230763

Duran, M. C. G. (2007). Maneiras de pensar o cotidiano com Michel de Certeau. Diálogo Edu, 7(22), 115-128. https://doi.org/10.7213/rde.v7i22.4177

Fayter, E. A. (Org.). (2010). Gerenciar a Inovação: um desafio para as empresas. Curitiba: IEL/PR.

Feldman, M., & Pentland, B. (2003). Reconceptualizing Organizational Routines as a Source of Flexibility and Change. Administrative Science Quarterly, 48(1), 94-118. https://doi.org/10.2307/3556620

Gavira, M. O. (2008). Gestão da inovação em subsidiárias de multinacionais do setor eletroeletrônico instalado no Brasil (Tese de doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geociências, Campinas, SP, Brasil.

Gil, A. C. (2017). Como elaborar projetos de pesquisas (6. ed.). São Paulo: Atlas.

Glückler, J., & Bathelt, H. (2017). Institutional Context and Innovation. The Elgar companion to innovation and knowledge creation (pp. 121-137). Cheltenham, Northampton, MA: Edward Elgar Publishing. https://doi.org/10.4337/9781782548522.00015

Godin, B. (2017). A Conceptual History of Innovation. The Elgar Companion to Innovation and Knowledge Creation (pp. 25-32). Cheltenham, Northampton, MA: Edward Elgar Publishing. https://doi.org/10.4337/9781782548522.00008

Gouvêa, J. B. et al. (2018). As histórias e o cotidiano nas organizações: uma possibilidade de dar ouvidos àqueles que o discurso hegemônico cala. Revista Brasileira de Estudos Organizacionais, 5(12), 297-347. https://doi.org/10.25113/farol.v5i12.3668

Grandori, A. (2010). A Rational Heuristic Model of Economic Decision Making. Rationality and society, 22(4), 477-504. https://doi.org/10.1177/1043463110383972

Grant, D. et al. (2004). Introduction: organizational discourse: exploring the field. In: D. Grant, C. Hardy, C. Oswick, & L. Putnam (Eds). The sage handbook of organizational discourse (pp. 1-36). London: Sage. https://doi.org/10.4135/9781848608122.n1

Héraud, J. A. (2017). Science and Innovation. The Elgar Companion to Innovation and Knowledge Creation (pp. 56-74). Cheltenham, Northampton, MA: Edward Elgar Publishing. https://doi.org/10.4337/9781782548522.00010

Lakatos, E. M., & Marconi, M. A. (2017). Fundamentos de Metodologia Científica (8. ed.). São Paulo: Atlas.

Latour, B. (2011). What’s the story? Organizing as a mode of existence. In Passoth, J. H., Peuker, B., & Schillmeier, M. (Org.), Agency without actors? New approaches to collective action. London: Routledge.

Lopes, A. P. V. B. V., Kissimoto, K. O., Salerno, M. S., Laurindo, F. J., & Carvalho, M. C. (2012). Innovation management: a literature review about the evolution and the different innovation models. In Proceedings of International Conference on Industrial Engineering and Operations Management (pp. 1-8), Rio de Janeiro, RJ.

Machado, N. S., Luchese, G. T., & Bencke, F. F. (2019). Gestão da Inovação: O caso da celulose Irani (SC). Rasi, 5(1), 57-76. https://doi.org/10.20401/rasi.5.1.258

Martins, J. S. (2008). A sociabilidade do homem simples: cotidiano e história na modernidade anômala. São Paulo: Contexto. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2009.74600

Melo, C. (1999). Inovações na gestão em saúde no âmbito local. São Paulo. (Projeto de Tese de Doutorado apresentado para qualificação à Faculdade de Saúde Pública da USP.)

Melo, C., & Tanaka, O. Y. (2002). O desafio da inovação na gestão em saúde no Brasil: uma nova abordagem teórico-empírica. Revista de Administração Pública – RAP, 36(2), 195-211. http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/6436

Mendes, D. R. F., De Oliveira, M. Â. C., & Pinheiro, A. A. (2013). Política Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação: avaliação do marco regulatório e seus impactos nos indicadores de inovação. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas – Regepe, 2(1), 22-46. https://doi.org/10.14211/regepe.v2i1.49

Miettinen, R., Samra-Fredericks, D., & Yanow, D. (2009). Return to practice: an introductory essay. Organization Studies, 30(12), 1309-1327. https://doi.org/10.1177/0170840609349860

Nicolini, D. (2013). Practice theory, work, & organization: an introduction. Oxford: Oxford University Press.

Nonaka, I., & Takeuchi, H. (1995). The Knowledge-Creating Company: How Japanese Companies Create the Dynamics of Innovation. New York, NY: Oxford University Press.

OECD (Organisation For Economic Co-Operation and Development). (2005). Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação (3. ed.). Rio de Janeiro: Arti/Finep. http://www.finep.gov.br/images/apoio-e-financiamento/manualoslo.pdf

O’Connor, G. C., Leifer, R., Paulson, A. S., & Peters, L. S. (2008). Grabbing Lightning: Building a Capability for Breakthrough Innovation. San Francisco, CA: John Wiley Sons.

Pfitzner, M. S., Salles-Filho, S. L. M., & Brittes, J. L. P. (2016). Gestão da Inovação Tecnológica nas Organizações: Proposta de um Modelo Teórico-Conceitual Aplicável a Empresas do Setor Elétrico Brasileiro. Desafio Online, 2(1),131-150. http://www.desafioonline.ufms.br

Pimentel, R. (2019). Cultura de inovação em uma escola de negócios: Um estudo inspirado pela teoria da prática. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa – Recadm, 18(1), 63-84. https://doi.org/10.21529/RECADM.2019003

Pimentel, R., & Nogueira, E. E. S. (2018). Estudos baseados na prática: possibilidades metodológicas para pesquisas em estudos organizacionais. Organizações e Sociedades, 25(86), 350-370. https://doi.org/10.1590/1984-9250861

Pimentel, R., Loiola, G. F., & Diogo, T. M. (2020). Cultura de inovação e aprendizagem: o programa clube dos apaixonados por desafios. Revista de Administração Mackenzie, 21(4), 1-25. https://doi.org/10.1590/1678-6971/eramg200129

Pugh, S. (1991). Total design: integrated methods for successful product engineering. Harlow, England: Addison Wesley.

Quadros, R. (2008). Aprendendo a inovar: padrões de gestão da inovação tecnológica em empresas industriais brasileiras. Campinas: CNPQ. https://silo.tips/download/campinas-agosto-de-2008

Rates, H. F., Cavalcante, R. B., Santos, R. C. D., & Alves, M. (2019). Cotidiano de trabalho em enfermagem sob a ótica de Michel de Certeau. Revista Brasileira de Enfermagem – Reben, 72(1), 341-345. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0361

Reichert, F. M., Camboim, G. F., & Zawislak, P. A. (2015). Capacidades e Trajetórias de Inovação de Empresas Brasileiras. RAM Revista de Administração Mackenzie, 16(5),161-194. https://doi.org/10.1590/1678-69712015/administracao.v16n5p161-194

Sá, M. G. (2018). Filhos das Feiras: uma composição do campo de negócios agreste. Recife: Fundação Joaquim Nabuco: Editora Massangana.

Salerno, M. S., Marx, R., Vasconcelos Gomes, L. A. de, Mello, A. M. de, & Lima, W. D. de. (2009). Organização e gestão da cadeia de valor expandida da empresa. In Anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção – ENEGEP, Salvador, BA, 29.

Sandberg, J., & Tsoukas, H. (2011). Grasping the logic of practice: Theorizing through practical rationality. Academy of Management Review, 36(2), 338-360. https://doi.org/10.5465/amr.2009.0183

Santos, L. L. S., & Silveira, R. A. (2015). Por uma epistemologia das práticas organizacionais: a contribuição de Theodore Schatzki. Organizações e Sociedade, 22(72), 79-98. https://doi.org/10.1590/1984-9230724

Schatzki, T. R. (2003). A new societist social ontology. Philosophy of the social sciences, 33(2), 174-202. https://doi.org/10.1177/0048393103033002002

Schatzki, T. R. (2006). On Organizations as they happen. Organization Studies, 27(12), 1863-1873. https://doi.org/10.1177/0170840606071942

Schon, D. (1983). The Reflective Practitioner: How Professionals Think in Action. New York: Basic Books.

Schumpeter, J. A. (1957). The theory of economic development. Cambridge: Harvard University.

Silva, D. O et al. (2014). Modelos para a gestão da inovação: revisão e análise da literatura. Production, 24(2), 477-490. https://doi.org/10.1590/S0103-65132013005000059

Silva, G., & Dacorso, A. L. R. (2013). Inovação aberta como uma vantagem competitiva para a micro e pequena empresa. INMR - Innovation & Management Review, 10(3), 251-268. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/rai/article/view/79337

Smith, M., Busi, M., Ball, P., & Van der Meer, R. (2008). Factors influencing and organisation’s ability to manage innovation: a structured literature review and conceptual model. International Journal of Innovation Management, 12(4), 655-676. https://doi.org/10.1142/S1363919608002138

Terra, J. C. et al. (2012). 10 dimensões da gestão da inovação: uma abordagem para a transformação organizacional. Rio de Janeiro: Campus.

Tidd, J., Bessant, J., & Pavitt, K. (2008). Gestão da Inovação (3. ed.). Porto Alegre: Bookman.

Vale, L. M. E., & Joaquim, N. F. (2017). Legumes nossos de cada dia: o hortifrúti na história da gestão ordinária do mercado central de Belo Horizonte. Revista Gestão & Conexões, 6(2), 54-73. https://doi.org/10.13071/regec.2317-5087.2017.6.2.13428.54-73

Vargas, R. A., & Junquilho, G. S. (2013). Funções administrativas ou práticas? As “artes do fazer” gestão na Escola Mirante. Revista de Ciências da Administração, 15(35), 180-195. https://doi.org/10.5007/2175-8077.2013v15n35p180

Zabala-Iturriagagoitia, J. M. (2014). Innovation management tools: implementing technology watch as a routine for adaptation. Technology Analysis & Strategic Management, 26(9), 1073-1089. https://doi.org/10.1080/09537325.2014.944150




DOI: http://dx.doi.org/10.14211/regepe.v10i1.1862

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1