Empreendedorismo Cultural e Economia Criativa: A Companhia de Teatro “Grupo Galpão”

Janaína Martins dos Reis, Luciano Pereira Zille

Resumo


Objetivo: Analisar e descrever o empreendedorismo cultural no contexto da economia criativa, na percepção do Grupo Galpão, sediado na cidade de Belo Horizonte-MG.

Metodologia: Pesquisa descritiva, de abordagem qualitativa por meio de estudo de caso. A unidade de análise foi o empreendedorismo cultural e a unidade de observação o Grupo de Teatro Galpão. A coleta dos dados foi por meio de entrevista semiestruturada e a análise pela técnica de análise de conteúdo categorial.

Resultados: O grupo revelou amplo conhecimento sobre o tema, cujos principais desafios são a dificuldade de planejamento dos eventos em médio e longo prazos e a dificuldade de gerar receita exclusivamente pelo público participante. Identificou-se que a criação e manutenção do Centro Cultural tem contribuído com vários projetos de acesso à cultura de interesse da sociedade, nos quais a Lei Rouanet vem tendo papel relevante.

Contribuições teóricas: Ampliação do conhecimento dos estudos relacionados ao empreendedorismo cultural, enfatizando a economia criativa, cujas pesquisas estão caminhando no sentido de alcançarem solidez do ponto de vista científico.

Relevância/originalidade: Contempla principalmente os contextos acadêmico e social, no sentido de ampliar os estudos direcionados ao empreendedorismo cultural. A sua originalidade está centrada na pesquisa de uma companhia de teatro de destaque no Brasil, focando o empreendedorismo cultural na dimensão da economia criativa.

 

Contribuições sociais/gestão: Fomenta o desenvolvimento de uma sociedade mais igualitária em relação ao espírito empreendedor, por meio da disseminação cultural, com foco nos princípios da economia criativa e da gestão empreendedora. 


Palavras-chave


Empreendedorismo Cultural; Economia Criativa; Grupo Galpão; Incentivo à Cultura; Lei Rouanet

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Akyol, E. M. (2016). A discussion about personal characteristics of entrepreneurs in the context of culture’s impact. Business & Management Studies: An International Journal, v. 4, n. 1, pp. 63-83.

Almeida, F. M., Valadares, J., & Sediyama, G. (2017). A contribuição do empreendedorismo para o crescimento econômico dos estados Brasileiros. REGEPE-Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 6, n. 3, pp. 466-494.

(FGV). Fundação Getúlio Vargas (2018). Impactos Econômicos da Lei Rouanet. Brasília, DF: Autor.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Edições 70. Lisboa. Portugal.

Brasil (2019a). Ministério da Cidadania. Diário Oficial da União. Instrução normativa nº 2, de 23 de abril de 2019. Brasília, DF: Autor.

Brasil (2019b). Ministério da Cidadania. Secretária especial da Cultura. Lei de à incentivo. Brasília, DF: Autor.

Brasil (2018). Ministério da cultura. Guia do empreendedor sociocultural: reflexões orientações, metodologias e práticas para amparar o desenho e a gestão de projetos socioculturais sustentáveis. Editoria do Blog Sociocultural em Rede.

Brasil (1991). Presidência da República, Casa Civil. Lei nº 8.313, de 23 de dezembro de 1991. Brasília, DF: Autor.

Bujor, A., & Avasilcai, S. (2016). The Creative Entrepreneur: A Framework of Analysis. Procedia - Social and Behavioral Sciences, v. 221, pp. 21-28.

Chang, W. J., & Wyszomirski, M. (2015). What is arts entrepreneurship? Tracking the development of its definition in scholarly journals. Artivate: a Journal of Entrepreneurship in the Arts, v. 4, n. 2, pp. 11-31.

Collis, J., & Hussey, R. (2005). Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. Bookman.

Davel, E., & Cora, M. A. J. (2016). Empreendedorismo cultural: cultura como discurso, criação e consumo simbólico. Políticas Culturais em Revista, v. 9, n. 1, pp. 363-397.

Dolabela, F. (2003). Empreendedorismo, uma forma de ser: Sabe o que são empreendedores individuais empreendedores coletivos. AED.

Dolabela, F., & Filion, L. J. (2013). Fazendo revolução no Brasil: a introdução da pedagogia empreendedora nos estágios iniciais da educação. REGEPE-Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 2, n. 3, pp. 134-181.

Dornelas, J. C. A. (2015). Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. Empreende.

Dornelas, J. C. A. (2000). Empreendedorismo para visionários: desenvolvendo negócios inovadores para um mundo em transformação. Grupo Gen-LTC.

Filion, L. J. (2011). Defining the entrepreneur. World Encyclopedia of Entrepreneurship, 41.

Firjan. Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (2016). Diagnósticos e mapeamentos setoriais: mapeamento da indústria criativa no Brasil. Rio de Janeiro: Autor.

Gehman,J., & Soublière, J F. (2017). Cultural entrepreneurship: from making culture to cultural making. Innovation: Organization & Management : IOM. v. 19, n.1, pp. 61-73.

GEM. Global Entrepreneurship Monitor (2017). Empreendedorismo no Brasil 2016. Curitiba: IBQP, pp. 1-208.

Greffe, X. (2016). Conclusion: The Artist-Enterprise in a Creative Economy. In: The Artist–Enterprise in the Digital Age, pp. 199-200. Springer, Tokyo.

Martinez, J. M. C. (2007). Una Visión Dinámica Sobre El Empreendedurismo Colectivo. Revista de Negócios, v. 9, n. 2.

Minas Gerais. (2019). Secretaria de Estado de Cultura. Comissão Partidária de Fomento ao Incentivo à Cultura. Belo Horizonte, MG: Autor.

Muzzio, H., & de Paiva Júnior, F. G. (2015). A pertinência de adequação da gestão criativa à identidade do indivíduo criativo. Contextus–Revista Contemporânea de Economia e Gestão, v. 13, n. 3, pp. 139-155.

Obschonka, M., Stuetzer, M., Gosling, S. D., Rentfrow, P. J., Lamb, M. E., Potter, J., & Audretsch, D. B. (2015). Entrepreneurial regions: do macro-psychological cultural characteristics of regions help solve the “knowledge paradox” of economics?. PloS One, v. 10, n. 6.

Olivieri, C. G. (2015). Cultura neoliberal: Leis de incentivo como política pública de cultura. São Paulo: Escritura Editora e Distribuidora de Livros Ltda.

Oliveira, A. G. M, & Melo, M. C. D. O. L. (2015). Creative economy: Mental models of cultural entrepreneurs in Belo Horizonte, Brazil. The International Journal of Management Science and Information Technology (IJMSIT), n. 15, pp. 94-113.

Qian, H., & Liu, S. (2018). Cultural entrepreneurship in US cities. Journal of Urban Affairs, v. 40, n. 8, pp. 1043-1065.

Rômulo, A., & Pelúcio, F. (2014). Do Grupo Galpão ao Galpão Cine Horto: uma experiência de gestão cultural. Belo horizonte, Edições CMT.

Sardana, D. (2018). What Facilitates Cultural Entrepreneurship? A Study of Indian Cultural Entrepreneurs. The Journal of Creative Behavior, v. 52, n. 1, pp. 35-51.

Sebrae. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas. (2016). Economia criativa. São Paulo, SP: Autor.

Schaefer, R., & Minello, I. F. (2017). Mentalidade empreendedora: o modo de pensar do indivíduo empreendedor. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 6, n. 3, pp. 495-524.

Toghraee, M. T., & Monjezi, M. (2017). Introduction to Cultural Entrepreneurship: cultural Entrepreneurship in developing countries. International Review of Management and Marketing, v. 7, n. 4, pp. 67-73.

Unctad. United Nations Conference on Trade and Development (2018). Creative economy Outlook Trends in international trade in creative industries 2002-2015. Country profiles 2005–2014. Unctad Ditc /Ted. Genebra, Suíça.

Unesco. United Nations Educational Scientific and Cultural (2018). Organization Relshaping cultural policies: advancing creativity for development – 2005. Convention Global Report. Place de Fontenoy, 75352. Paris, França.




DOI: http://dx.doi.org/10.14211/regepe.v9i2.1576

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença 
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional

Rev. Empreendedorismo Gest. Pequenas Empres., São Paulo, SP, Brasil. e-ISSN: 2316-2058    

Prefixo do DOI: 10.14211  Classificação Qualis 2016: B1